Pensamento político de Maquiavel – segunda parte

Francisco Ferraz
Publicado em: 13/01/2017

Maquiavel, ao escrever sobre a política, vai trabalhar com princípios e conceitos peculiares a ela e que, ainda que carreguem o mesmo nome com o qual são usados nas outras esferas da vida, no mundo da política possuem significados muito diferentes.

Ele demonstra, de forma muito persuasiva, como funciona a paradoxal “alquimia política”, por meio da qual virtudes consagradas na ética cristã, quando transpostas para o mundo da política, transformam-se no seu oposto: em vícios, defeitos, atos e hábitos nocivos, comportamentos censuráveis.

Este é o caso das observações e recomendações dele sobre “crueldade”, “dissimulação”, “sovinice”, “manter ou não a palavra dada”, “ser temido”, “fazer o bem aos poucos e o mal de uma só vez”, “o fim justifica os meios usados” e outras análogas, que são as principais responsáveis pelo escândalo que sua obra provoca e pelas acusações de amoralismo, falta de escrúpulos e “maquiavelismo”. 

Busto de Maquiavel Única Imagem reconhecida como autêntica.

Este texto pertence a uma coluna com acesso restrito, para continuar lendo cadastre-se e escolha entre um dos planos de assinatura.

Assine Aqui

Já sou assinante

Informe seus dados abaixo para continuar.



Esqueci minha senha

 

COMPARTILHAR

Área do usuário:

E-mail

Senha

> Esqueci minha senha

> Quero me cadastrar

Curta nossa página no Facebook Siga-nos

Opinião do leitor

Só agora conheci o Política para Políticos e fiquei interessadíssima, pois espero aprender bastante com vocês.


Solange Maria Cabral
Lajes Pintadas - RN

Leia mais >>