Dilma e Lula. Não há mais espaço para os dois

Francisco Ferraz
Publicado em: 18/05/2016

Lula tem motivos de sobra para aparecer abatido, deprimido, preocupado, como atestam as fotos feitas na área externa do palácio do Planalto, por ocasião da saída de Dilma.

O rastreamento de suas pegadas pela operação lava jato, a aprovação do impeachment e as nuvens ameaçadoras  que pairam no seu horizonte político e no seu partido são motivos de sobra para seu estado de espírito.

Creio, entretanto que há outras razões e, provavelmente mais graves e difíceis de lidar, que passam despercebidas.

Refiro-me às relações de Lula e Dilma e, curiosamente, às condições políticas do criador e da criatura no futuro próximo.

Dilma, por uma daquelas  situações imprevistas que se constituem na política ganhou, com o impeachment, uma liberdade que antes não tinha: não precisa mais fazer o que não sabe e, ainda por cima, fingindo que sabe: governar.

Não corre mais o risco de presidir o país em meio ao caos econômico e político.  O jogo político empurrou-a para a guerrilha política novamente, talvez a única forma de política que sabe jogar, restabelecendo uma continuidade que fora rompida na década de 70.

Por guerrilha política entenda-se um conflito político (não militar) feito de escaramuças pontuais para desgastar o inimigo, enfraquecê-lo e conquistar o poder. 

Atente-se para o que ela ganhou com o afastamento compulsório provocado pelo processo de impeachment.

Ganhou um inimigo – Temer e seu governo; ganhou os meios de combate – veículos, casas, recursos para viajar dentro do país e no exterior, acesso aos meios de comunicação, auxiliares pagos; ganhou uma causa – lutar contra o golpe em nome da democracia que ela não precisa justificar; ganhou também  um tema emocional para mobilizar apoio – sua vitimização; ganhou ainda aliados no Brasil e no exterior, o suficiente para produzir fatos, notícias e declarações; ganhou uma condição mais protegida que Lula em relação à ameaça da operação lava jato; e ganhou  um partido que, goste ou não, terá que fazer dela a sua bandeira.

Lula, contrariamente à Dilma, será obrigado a “jogar na defensiva” e a ofensiva que lhe restará será apoiar Dilma...

Apoiar Dilma é o que ele tem feito, contrariando seus desejos e ambições. Apoiou de mau grado – segundo se diz -  na eleição que desejava disputar; apoiou ao oferecer seus auxiliares mais próximos (Wagner, Berzoini) para ajuda-la no governo, apoiou ao aceitar tornar-se chefe da casa civil do seu governo – uma nítida posição de inferioridade – e apoiou ao se instalar no Hotel Royal Tulip para conseguir votos para ela na Câmara e no Senado. 

Ao aceitar a posição subalterna e ao pôr sua reputação, prestígio e esforço à serviço da luta contra o impeachment, Lula deu-lhe o reforço de legitimidade – dentro do PT e na esquerda – com o qual ela poderá remover Lula da liderança do partido.

Se Dilma conseguir evitar o impeachment (o que até agora parece pouco provável) não precisará mais de Lula ao seu lado e, ao contrário, Lula talvez seja então um peso a carregar. Ela terá ocupado o espaço do comando do PT, por ter logrado uma vitória em condições muito difíceis e, mais ainda, talvez herde de Temer um Brasil certamente melhor, no rumo do crescimento e da estabilização.

Se non è vero, forze è bene trovato. 

COMPARTILHAR

Área do usuário:

E-mail

Senha

> Esqueci minha senha

> Quero me cadastrar

Curta nossa página no Facebook Siga-nos

Opinião do leitor

O site ficou melhor ainda do que já era. O conteúdo nos ajuda e também orienta para que não haja erros durante a campanha que está por vir. Parabéns a todos.

Mário Fonseca Jr.
Porto Alegre - RS

Leia mais >>