Antes que eu esqueça...

Francisco Ferraz
Publicado em: 19/03/2016

Acho importante comentar que os fatos políticos adquiriram tal velocidade que se sucedem em frenética sequência, o que dificulta muito uma análise de maior profundidade da situação política brasileira. 

Em Antes que eu esqueça...  vou abordar aspectos pontuais da política brasileira que, a meu juízo merecem sobreviver à força arrebatadora da frenética sequência de fatos políticos que, praticamente a cada dia, se renovam.

Vejam o que sucedeu com um aspecto da guerra do impeachment que, uma vez pautado para discussão e decisão, já ocupou a  centralidade nos debates e deliberações, tanto nas casas do Congresso, como no executivo e mesmo no STF: a questão do voto secreto.

Ontem, acompanhando a sessão do STF que decidia sobre o rito do processo de impeachment, a questão novamente foi trazida à discussão entre os ministros da Corte Suprema. Foi nesta ocasião que me ocorreu o seguinte pensamento: Na história da democracia o voto secreto sempre foi um instituto com o qual se pretendia defender a liberdade do cidadão, ao defender a liberdade de opinião e decisão dos representantes frente à pressão dos poderes políticos.

Neste sentido, a discussão separava os defensores do voto aberto na escolha dos membros da Comissão Processante do impeachment (governistas) dos defensores do voto secreto (oposição). 

A questão subjacente era o poder do governo (caneta que nomeia e a chave que abre o cofre) para premiar ou punir os deputados conforme a decisão que tomassem, o que somente poderia ser praticado se o voto fosse aberto.

Hoje, com o rápido enfraquecimento de um governo fraco, com a megamanifestação do dia 13, com o desgaste das delações premiadas e das conversas telefônicas de Lula com a Presidente mais conveniente seria  para o governo que o voto fosse secreto!

COMPARTILHAR

Área do usuário:

E-mail

Senha

> Esqueci minha senha

> Quero me cadastrar

Curta nossa página no Facebook Siga-nos

Opinião do leitor

"Política para políticos" é um site de suma importância para todos àqueles que vão disputar um pleito eleitoral, além de sua importância para os profissionais da área da história da ciência política. Os temas abordam com extrema precisão "o comportamento a ser adotado pelo pré candidato" na conquista do voto do eleitor, enfatizando ricamente a
cultura eleitoral do povo brasileiro. Parabéns, este site além de orientar como disputar uma campanha eleitoral, é um manual ético de regras de campanha.

Tânia Mara Silva Neves
São Mateus - ES

Leia mais >>