A execução de Luis XVI

Francisco Ferraz
Publicado em: 06/09/2017

Luis XVI, rei da França, estava no lugar histórico errado, no momento errado e atropelado por acontecimentos muito além do seu controle. Elevado ao trono francês em 1774, Luis XVI herdou um reino próximo da falência, em razão dos gastos de seus antecessores Luis XV e Luis XIV.

Depois de coroado tudo tornou-se pior. A economia continuou afundando, as safras agrícolas foram mal e o preço do pão e outros alimentos dispararam. O povo estava insatisfeito. Para completar este rosário de problemas Luis casou-se com uma estrangeira, a austríaca Maria Antonieta. A revolta do povo com suas dificuldades, estimulada pela xenofobia, identificou em Maria Antonieta uma das causas dos problemas franceses.

Em 1788, Luis XVI foi forçado politicamente a convocar Os Estados Gerais do Reino, que, uma vez reunido, começou a limitar os poderes do rei. Em Julho do ano seguinte, uma multidão atacou a odiada Bastilha, a prisão de Paris. Sentindo que o poder estava se deslocando para seu lado, a massa, já então reunida na Assembléia Nacional, decidiu pela prisão do rei e de sua família. Luis XVI tentou ainda uma fuga em 1791, mas foi capturado em Varennes e levado de volta a Paris.

Em 1792, a Convenção Nacional declarou a França uma República e submeteu o rei a um julgamento por crimes contra o povo.

Este texto pertence a uma coluna com acesso restrito, para continuar lendo cadastre-se e escolha entre um dos planos de assinatura.

Assine Aqui

Já sou assinante

Informe seus dados abaixo para continuar.



Esqueci minha senha

 

COMPARTILHAR

Área do usuário:

E-mail

Senha

> Esqueci minha senha

> Quero me cadastrar

Curta nossa página no Facebook Siga-nos

Opinião do leitor

O Brasil vive momentos em que a democracia existe. Mas, ao mesmo tempo, a subutilizam, como se fosse algo de barganha, provocando ira nos mais entendidos e satisfação naqueles que não percebem o grau de ineficiência do estado para tratar da corrupção e dos demandos políticos. Investigam, sim, julgam, sim, mas tudo acaba como se fosse natural e inerente da vida do político. Quero parabenizar este site que tem procurado levar o leitor a construir seu conhecimento político de forma crítica, reflexiva, interativa, dinâmica e atualizada.

Jorge Luiz Medeiros da Cunha
Araguaína - TO

Leia mais >>