Nunca superestime a quantidade de informação que o eleitor possui

Francisco Ferraz
Publicado em: 09/08/2016

Se não se deve subestimar a inteligência do eleitor, não se deve também cometer o erro oposto isto é, nunca superestime a quantidade de conhecimento e informação que ele possui.

Este território por mapear (a cabeça do eleitor) possui muito pouca informação, e pouco tempo e disposição para adquiri-la. O eleitor médio conhece pouco sobre os candidatos e menos ainda sobre suas ideias e propostas.

Este texto pertence a uma coluna com acesso restrito, para continuar lendo cadastre-se e escolha entre um dos planos de assinatura.

Assine Aqui

Já sou assinante

Informe seus dados abaixo para continuar.



Esqueci minha senha

 

COMPARTILHAR

Área do usuário:

E-mail

Senha

> Esqueci minha senha

> Quero me cadastrar

Curta nossa página no Facebook Siga-nos

Opinião do leitor

Quero agradecer e manifestar meu apoio a iniciativa dos idealizadores deste site. Inquestionável a seriedade, eficiência e, sobretudo, a imparcialidade na cobertura das eleições. De observar, ainda, a clareza e objetividade das matérias e reportagens.

Salvador Mustafá Campos
Pacaembu - SP

Leia mais >>