Nunca superestime a quantidade de informação que o eleitor possui

Francisco Ferraz
Publicado em: 09/08/2016

Se não se deve subestimar a inteligência do eleitor, não se deve também cometer o erro oposto isto é, nunca superestime a quantidade de conhecimento e informação que ele possui.

Este território por mapear (a cabeça do eleitor) possui muito pouca informação, e pouco tempo e disposição para adquiri-la. O eleitor médio conhece pouco sobre os candidatos e menos ainda sobre suas ideias e propostas.

Este texto pertence a uma coluna com acesso restrito, para continuar lendo cadastre-se e escolha entre um dos planos de assinatura.

Assine Aqui

Já sou assinante

Informe seus dados abaixo para continuar.



Esqueci minha senha

 

COMPARTILHAR

Área do usuário:

E-mail

Senha

> Esqueci minha senha

> Quero me cadastrar

Curta nossa página no Facebook Siga-nos

Opinião do leitor

Meus parabéns pelo caderno sobre filosofia política prática, de caráter apartidário. São movimentos como o de vossas senhorias que fazem o povo acreditar na possibilidade de uma "saída" do Brasil para seus problemas que vêm da época colonial. Gostei muito das matérias relacionadas aos clássicos da oratória.

Antonio do Rêgo Monteiro Rocha
Florianópolis - SC

Leia mais >>