Candidatos sem chances de vencer - O tímido

Francisco Ferraz
Publicado em: 18/05/2016

1. O candidato vítima
2. O candidato tímido
3. O candidato desconhecido
4. O candidato que não gosta do povo
5. O candidato “empresário hard”
6. O candidato pregador
7. O candidato saudosista.

Os candidatos tímidos e/ou ingênuos

O “jogo político”, sobretudo a disputa eleitoral, é “jogo pesado”. Tudo se subordina a um único objetivo: vencer.

Vencer, por um voto de diferença, se for o caso; sofrendo pesados desgastes, se for impossível de evitar; assumindo compromissos que limitam o poder e a liberdade, se não houver outra saída; rompendo com amizades, se for inevitável; assumindo prejuízos; mas de qualquer forma, vencer.

Os candidatos enfrentam a eleição com essa disposição. Trata-se, então, de uma competição feroz, uma forma civilizada de combate, na qual as pessoas não hesitam em ir aos seus limites éticos para obter a vitória. A vitória é o bálsamo que cura os ferimentos e recompensa as perdas sofridas.

Este texto pertence a uma coluna com acesso restrito, para continuar lendo cadastre-se e escolha entre um dos planos de assinatura.

Assine Aqui

Já sou assinante

Informe seus dados abaixo para continuar.



Esqueci minha senha

 

COMPARTILHAR

Área do usuário:

E-mail

Senha

> Esqueci minha senha

> Quero me cadastrar

Curta nossa página no Facebook Siga-nos

Opinião do leitor

O Brasil vive momentos em que a democracia existe. Mas, ao mesmo tempo, a subutilizam, como se fosse algo de barganha, provocando ira nos mais entendidos e satisfação naqueles que não percebem o grau de ineficiência do estado para tratar da corrupção e dos demandos políticos. Investigam, sim, julgam, sim, mas tudo acaba como se fosse natural e inerente da vida do político. Quero parabenizar este site que tem procurado levar o leitor a construir seu conhecimento político de forma crítica, reflexiva, interativa, dinâmica e atualizada.

Jorge Luiz Medeiros da Cunha
Araguaína - TO

Leia mais >>