Reeleição e o marketing de fim de gestão

Francisco Ferraz
Publicado em: 28/09/2017

A tentativa de reeleição, como se sabe, é sempre problemática. As eleições, de uma maneira geral, tendem a ser vistas pela maioria dos eleitores como uma mobilização de esperanças, como a oportunidade ideal para obter novas conquistas e vantagens, como a possibilidade de decidir um futuro onde se realize aquilo que ainda não foi feito.

Nesta perspectiva, a eleição, como regra, favorece o candidato da mudança em relação ao da continuidade.

O eleitor carrega um voto no bolso que lhe dá condições de participar de uma “compra coletiva”. O período eleitoral, a campanha, com toda a controvérsia que ela gera, equivale a um passeio pelas lojas, olhando vitrines, avaliando produtos, comparando-os, com vistas a fazer a “sua compra”.

Como qualquer “comprador”, o eleitor sente-se mais atraído pelo novo que pelo conhecido, pela mudança do que pela continuação do que já existe, por novas “caras” do que por aquelas já familiares.

Este texto pertence a uma coluna com acesso restrito, para continuar lendo cadastre-se e escolha entre um dos planos de assinatura.

Assine Aqui

Já sou assinante

Informe seus dados abaixo para continuar.



Esqueci minha senha

 

COMPARTILHAR

Área do usuário:

E-mail

Senha

> Esqueci minha senha

> Quero me cadastrar

Curta nossa página no Facebook Siga-nos

Opinião do leitor

O site ficou melhor ainda do que já era. O conteúdo nos ajuda e também orienta para que não haja erros durante a campanha que está por vir. Parabéns a todos.

Mário Fonseca Jr.
Porto Alegre - RS

Leia mais >>