Fale menos do que gostaria

Francisco Ferraz
Publicado em: 14/09/2017

Falar e ouvir, principalmente falar, é a marca dos políticos e da política. Falar num discurso no pódio de uma Câmara Legislativa, falar numa reunião com assessores, falar em sussurros com outros políticos, falar para a mídia, conversar com eleitores, falar e falar.

Não apenas falar, mas falar bem. Adestrar-se em cursos e livros de oratória, treinar a voz, cuidar da voz, aprender os “truques” que funcionam, adquirir a capacidade de dramatização, dominar a arte do discurso.

Tudo isto está certo. O político deve falar e deve falar bem. Esta é uma arte do seu ofício que precisa ser dominada. Não há a menor dúvida que a oratória conquista, convence, persuade; nem tampouco que a argumentação consistente e sólida se impõe; nem mesmo que a dramatização oportuna e apropriada comove e sensibiliza; que o uso habilidoso das palavras pode seduzir.

A questão da valorização da palavra torna-se então de suma importância para o político, exatamente pelo uso intensivo e frequente que dela faz no exercício de seu ofício.

Este texto pertence a uma coluna com acesso restrito, para continuar lendo cadastre-se e escolha entre um dos planos de assinatura.

Assine Aqui

Já sou assinante

Informe seus dados abaixo para continuar.



Esqueci minha senha

 

COMPARTILHAR

Área do usuário:

E-mail

Senha

> Esqueci minha senha

> Quero me cadastrar

Curta nossa página no Facebook Siga-nos

Opinião do leitor


estive lendo a reportagem a respeito do exílio do janio e voltei no tempo, pois eu era o soldado ordenança do comandante da base aérea de santos e operava a comunicação do comando atendi o chamado do estado maior, chamei o comandante que estava na leitura do boletim e a base entrou em prontidão.eu, o comandante josé de pinho e um general (acho que silvio) fomos os primeiros a saber sobre o exilio diretamente de brasilia ele realmente se recusou a embarcar de noite por medo de ser morto. umas 6:30 da manha entraram uns seis aero wills pretos e ele estava deitado no chao do banco traseiro acho que do quarto carro.o douglas era bem usado mas voava muito bem. . os motores giravam quando janio desceu do carro as pressas subiu na escadinha do dc 3 e deu uma olhadinha para traz...só tinha eu de pé na porta do predio do comando. hoje sou professor de historia aposentado

Mateus
Sao Vicente - SP

Leia mais >>