O desespero na política: o suicídio político

Francisco Ferraz
Publicado em: 15/03/2017

Há, ao longo da história política, alguns textos que se tornaram antológicos por se referirem a um sentimento muito forte, muito humano, e muito intensamente sofrido.

A palavra chave é sentimento. São atitudes e documentos cujo objetivo é exteriorizar a dor ou a alegria daquele momento, o orgulho, o arrependimento, o desprezo, o ódio, a revelação e, em casos extremos, o adeus à existência.

O discurso de Príamo às portas de Tróia, chorando a morte do filho Heitor por Aquiles, queixando-se aos deuses que não é justo que o pai enterre o filho, é um marco da cultura ocidental não por sua eventual qualidade literária, mas sim pela perfeita capacidade de expressar o sentimento de dor daquele pai e de todos os pais!

A morte de Sócrates causou uma marca profunda em todos os seus discípulos porque, ao rejeitar qualquer concessão ou acordo, deu o exemplo do sacrifício pessoal de quem levava a coerência intelectual tão a sério que estava disposto a morrer por ela.

Este texto pertence a uma coluna com acesso restrito, para continuar lendo cadastre-se e escolha entre um dos planos de assinatura.

Assine Aqui

Já sou assinante

Informe seus dados abaixo para continuar.



Esqueci minha senha

 

COMPARTILHAR

Área do usuário:

E-mail

Senha

> Esqueci minha senha

> Quero me cadastrar

Curta nossa página no Facebook Siga-nos

Opinião do leitor

Encontrei o meu local de tirar conclusões e aprender sobre os meandros da política brasileira.

Alex Barreto
Panorama - SP

Leia mais >>