Campanha permanente: uma introdução.

Francisco Ferraz
Publicado em: 09/10/2017

Terminada a eleição, empossado o novo governante, a concepção dominante é de que o novo governo deve “parar de fazer política” e preocupar-seem administrar. Omomento da política é a campanha eleitoral. O período de governo é o momento da administração.

Harry Truman, presidente dos EUA, sintetizou essa forma de pensar numa frase que teria dito para o recém eleito  John Kennedy: “Uma vez eleito, pare de fazer campanha”.

 Essa concepção, que separa radicalmente a atividade política da atividade de governo, é contestada por outra que sustenta: “Terminada a eleição, começa a eleição”.

Nessa maneira de ver o processo político, a clássica dicotomia: eleições=política; governo=administração, deixou de existir. Hoje é costume dizer que: terminada a campanha eleitoral, começa a nova campanha.  Cada vez mais, essa é a maneira predominante como os políticos, governantes e profissionais, passaram a encarar o período pós eleição.

Este texto pertence a uma coluna com acesso restrito, para continuar lendo cadastre-se e escolha entre um dos planos de assinatura.

Assine Aqui

Já sou assinante

Informe seus dados abaixo para continuar.



Esqueci minha senha

 

COMPARTILHAR

Área do usuário:

E-mail

Senha

> Esqueci minha senha

> Quero me cadastrar

Curta nossa página no Facebook Siga-nos

Opinião do leitor

Parabéns pelo sucesso do curso em Porto Alegre. Sou um dos que lamentam, dada a grande distância, não ter podido participar desse evento. Entretanto, fiquei feliz com a notícia de que novo curso, agora no dia 23 de junho/2007. Tenho o maior interesse em fazer o curso. Sou jornalista, professor e marqueteiro.

José Ribamar Campos
São Luís - MA

Leia mais >>