Pesquisa não passa da “foto de um momento”. Será?

Francisco Ferraz
Publicado em: 06/07/2017

Sim, ela é a fotografia de um momento, o instantâneo que fixa o sentimento e a opinião dos eleitores na data em que ela foi feita. Ao mesmo tempo ela é muito mais que o registro fotográfico de um momento.

Os eleitores não são tão volúveis a ponto de que, a cada nova pesquisa possam mudar completamente suas opiniões.

Assim como uma série de fotos de uma mesma pessoa revelará diferenças – cada uma será ligeiramente diferente das demais – elas também revelarão a semelhança básica, decorrente do fato de que se trata de uma mesma pessoa.

Nas pesquisas ocorre o mesmo. Os eleitores têm opiniões sobre questões políticas que possuem variados graus de consistência e permanência. Muitas destas opiniões estão cristalizadas e não mudam.

Este texto pertence a uma coluna com acesso restrito, para continuar lendo cadastre-se e escolha entre um dos planos de assinatura.

Assine Aqui

Já sou assinante

Informe seus dados abaixo para continuar.



Esqueci minha senha

 

COMPARTILHAR

Área do usuário:

E-mail

Senha

> Esqueci minha senha

> Quero me cadastrar

Curta nossa página no Facebook Siga-nos

Opinião do leitor

O Brasil vive momentos em que a democracia existe. Mas, ao mesmo tempo, a subutilizam, como se fosse algo de barganha, provocando ira nos mais entendidos e satisfação naqueles que não percebem o grau de ineficiência do estado para tratar da corrupção e dos demandos políticos. Investigam, sim, julgam, sim, mas tudo acaba como se fosse natural e inerente da vida do político. Quero parabenizar este site que tem procurado levar o leitor a construir seu conhecimento político de forma crítica, reflexiva, interativa, dinâmica e atualizada.

Jorge Luiz Medeiros da Cunha
Araguaína - TO

Leia mais >>