Não dê excessiva importância a boatos

Francisco Ferraz
Publicado em: 03/11/2016

Primeiro é preciso começar entendendo bem o problema. Ao contrário do entendimento mais vulgar, boato não é igual a “fofoca”. Pode acontecer que o boato tenha surgido de uma “fofoca”, mas não se deve entendê-los como semelhantes.

1. O boato é uma notícia. Como tal ele veicula uma informação que é nova, não publicada e portanto não sabida.

2. Mas não é qualquer notícia, não é uma notícia banal (fofoca) e sim uma notícia importante, daquelas que queimam por dentro quem as possui.

3. Queima por dentro porque desperta sentimentos fortes, de natureza positiva ou negativa, em outras palavras, é uma notícia importante que desperta alguma ansiedade em quem a possui. É este sentimento que faz com que o boato se difunda. Quem o possui tem que passá-lo adiante para outro.

Este texto pertence a uma coluna com acesso restrito, para continuar lendo cadastre-se e escolha entre um dos planos de assinatura.

Assine Aqui

Já sou assinante

Informe seus dados abaixo para continuar.



Esqueci minha senha

 

COMPARTILHAR

Área do usuário:

E-mail

Senha

> Esqueci minha senha

> Quero me cadastrar

Curta nossa página no Facebook Siga-nos

Opinião do leitor

Tendo em vista o alto nível dos artigos, gostaria de agradecer ao site por continuar recebendo as informações diárias em meu e-mail.

Márcio Melo Franco
Betim - MG

Leia mais >>