As resistências ao planejamento

Francisco Ferraz
Publicado em: 01/09/2017

A mitologiada política, assim como a sua tradição, sugere que o sucesso eleitoral dispensa planificação. Mais ainda, que as qualidades necessárias ao sucesso – flexibilidade, oportunismo, iniciativa, experiência- não apenas dispensam como não se harmonizam com a elaboração de planos.

Se esta é a lição da mitologia, a lição da realidade é que as campanhas eleitorais vitoriosas, mesmo para os cargos mais iniciais da carreira política, recorrem cada vez mais ao planejamento para definir sua estratégia e organizar suas atividades.

Campanhas eleitorais têm tudo para tornarem-se caóticas: tempo limitado, recursos insuficientes, pessoas tensas e cansadas, candidato ansioso e insatisfeito, forte envolvimento emocional, ocorrência freqüente de fatos novos e inesperados, etc.

A forma habitual de lidar com esta realidade dinâmica e nervosa costuma ser "vamos enfrentar os problemas e tomar as decisões na medida em que eles aparecerem". Nesta forma de pensar presume-se que o trabalho duro e a capacidade de resposta rápida serão suficientes. Não são.

Este texto pertence a uma coluna com acesso restrito, para continuar lendo cadastre-se e escolha entre um dos planos de assinatura.

Assine Aqui

Já sou assinante

Informe seus dados abaixo para continuar.



Esqueci minha senha

 

COMPARTILHAR

Área do usuário:

E-mail

Senha

> Esqueci minha senha

> Quero me cadastrar

Curta nossa página no Facebook Siga-nos

Opinião do leitor

Gostei muito desse site, pois ensina o que é política, mostrando o que um candidato deve fazer, como governar. Estão de parabéns! Também vou divulgar esse site no Orkut, em minha comunidade, "politicos do futuro".



Jeferson Osik da Cruz
Piracicaba - SP

Leia mais >>