Agora, ao assumir o mandato, começa a campanha para a próxima eleição.

Francisco Ferraz
Publicado em: 02/01/2017

O título da coluna encerra uma verdade política para aqueles que têm na função pública a sua vocação e a sua carreira.

A concepção vulgar divide a política em dois momentos nitidamente separados:

Supõe-se, dentro desta concepção, que, conquistado o poder - executivo ou legislativo - a política deve ceder seu espaço à administração e à produção legislativa para retornar apenas anos mais tarde, por ocasião da próxima eleição. Esta é a visão que grande parte dos eleitores possui, e, o que é mais grave, boa parte dos políticos também compartilha. Ela colide não apenas com a realidade, mas também com a mais moderna concepção da política que a encara como uma "campanha permanente".

É óbvio que campanha permanente não significa recomeçar de imediato uma campanha eleitoral, com as mesmas características daquela que recém terminou. Seria um absoluto despropósito. Por outro lado, a passagem da fase eleitoral para a fase de governo não equivale à passagem da política para a administração. O que ocorre é a passagem de uma forma de fazer política para outra. A política é permanente e o governo que quiser governar, assim como o legislador que quiser ser relevante, terá que continuar lidando com ela diariamente.

Este texto pertence a uma coluna com acesso restrito, para continuar lendo cadastre-se e escolha entre um dos planos de assinatura.

Assine Aqui

Já sou assinante

Informe seus dados abaixo para continuar.



Esqueci minha senha

 

COMPARTILHAR

Área do usuário:

E-mail

Senha

> Esqueci minha senha

> Quero me cadastrar

Curta nossa página no Facebook Siga-nos

Opinião do leitor

Gostaria de elogiar o belíssimo site criado por vocês. Acho que ficou bastante útil e interessante para aqueles que decidiram ingressar na carreira política.

Ramon Alves
Belo Horizonte - MG

Leia mais >>