Não dar importância às "pequenas coisas"

Francisco Ferraz
Publicado em: 11/09/2017

Considerada em abstrato, uma campanha eleitoral diz respeito a questões de grande importância. O cargo em disputa, as pessoas envolvidas na eleição, o pronunciamento do eleitor nas pesquisas e depois no voto, os grandes problemas da comunidade em que a eleição ocorre. Tudo isto, e muito mais, confere ao processo eleitoral a condição de um momento de singular importância.

O candidato prepara-se então para as grandes questões, os problemas maiores a serem discutidos, e as soluções que vai propor. Neste desejo de preparar a candidatura para os grandes embates, boa parte do tempo de sua assessoria será gasto na elaboração do seu plano do governo (ou principais projetos no caso de candidato ao legislativo).

Numa luta desigual contra o tempo, detalhes pequenos, e aparentemente insignificantes, vão sendo deixados de lado. Não há tempo para eles. Há sempre coisas mais importantes a fazer e que ainda não foram feitas.

Esta postura geral está correta. Como já vimos, nas diferentes colunas deste site, uma campanha eleitoral é um empreendimento tão complexo para um espaço de tempo tão breve, que é preciso, a todo o momento, economizar tempo para dedicar-se ao mais importante.

Este texto pertence a uma coluna com acesso restrito, para continuar lendo cadastre-se e escolha entre um dos planos de assinatura.

Assine Aqui

Já sou assinante

Informe seus dados abaixo para continuar.



Esqueci minha senha

 

COMPARTILHAR

Área do usuário:

E-mail

Senha

> Esqueci minha senha

> Quero me cadastrar

Curta nossa página no Facebook Siga-nos

Opinião do leitor

Sou aluno de Ciência Política da Unidf e todos os dias acesso ao site para ler as matérias. Estou montando uma super apostila com as matérias postadas neste site e já conto com mais de 370 páginas. O material é de excelente qualidade. Vocês estão de parabéns. Tenho indicado o site a todos os meus colegas da faculdade.

Altomiro Rocha de Oliveira
Brasília - DF

Leia mais >>