Virar o argumento do adversário contra ele

Francisco Ferraz
Publicado em: 28/09/2016

Numa eleição sempre se busca ocupar a posição ofensiva. Estar na ofensiva é ocupar uma posição estratégica, a partir da qual torna-se possível ter as iniciativas, e, acima de tudo, adquirir as condições para pautar a campanha.

O problema reside no fato de que todos os candidatos buscam o mesmo objetivo. A qualidade do candidato e de sua equipe é que vai determinar qual dentre eles conquistará esta posição estratégica.

Estar na ofensiva, entretanto, é uma condição temporal (estar), não é uma garantia de que, uma vez nela posicionado, o candidato conseguirá nela permanecer até o final da campanha. A qualquer momento pode ocorrer um fato novo na campanha que o remova, temporária ou definitivamente daquela posição.

Este texto pertence a uma coluna com acesso restrito, para continuar lendo cadastre-se e escolha entre um dos planos de assinatura.

Assine Aqui

Já sou assinante

Informe seus dados abaixo para continuar.



Esqueci minha senha

 

COMPARTILHAR

Área do usuário:

E-mail

Senha

> Esqueci minha senha

> Quero me cadastrar

Curta nossa página no Facebook Siga-nos

Opinião do leitor

Os assuntos aqui tratados são de suma importância para a vida de um homem público que necessita se informar, constantemente, daquilo que vem ocorrendo na sociedade em que vive e trabalha. Tenho procurado tirar minhas dúvidas quanto ao exercício da minha função de assessor parlamentar, nos artigos publicados, diariamente por este meio de comunicação. Continuem publicando os assuntos mais diretamente ligados ao dia-a-dia das casas legislativas.

Antonio Francisco Monteiro da Silva
Cuiabá - MT

Leia mais >>