Até que limite explorar a imagem pessoal na campanha?

Francisco Ferraz
Publicado em: 07/09/2017

As campanhas presidenciais, especialmente nos Estados Unidos, levam a limites por vezes extremos a construção da imagem pessoal a partir da exploração dos detalhes mais íntimos da respectiva biografia.

A eleição presidencial de 2004 tornou-se o exemplo mais evidente dessa tendência de exploração da intimidade pessoal dos candidatos como um recurso para o sucesso eleitoral.

O uso dos “bio ads” (comerciais biográficos) tornou-se praticamente obrigatório em qualquer campanha, sendo o modelo de publicidade mais universalmente usado. Afinal, é preciso ajustar a imagem do candidato, justificá-la na sua biografia e propô-la de maneira atraente e persuasiva aos eleitores, muitos dos quais vão realmente travar contato com o candidato apenas na campanha.

Mas a questão não se refere aos “bio ads” e sim a uma exploração grosseira e piegas de detalhes – às vezes escabrosos - da intimidade do candidato, que usualmente eram evitados nas campanhas. Nesta situação se incluíram os pré-candidatos do partido democrata John Edwards, Richard Gephardt do Missouri, e o Senator Bob Graham da Florida.

Este texto pertence a uma coluna com acesso restrito, para continuar lendo cadastre-se e escolha entre um dos planos de assinatura.

Assine Aqui

Já sou assinante

Informe seus dados abaixo para continuar.



Esqueci minha senha

 

COMPARTILHAR

Área do usuário:

E-mail

Senha

> Esqueci minha senha

> Quero me cadastrar

Curta nossa página no Facebook Siga-nos

Opinião do leitor



Parabenizo pelo sítio....muito importante para quem gosta de política, assuntos que só fazem enriquecer meus conhecimentos na área, pois sou um apaixonado pela política do desenvolvimento.

Evandro Gomes Ferreira
Goiânia - GO

Leia mais >>